Biodiversidade, Energia Renovável, Reciclagem, Responsabilidade Ambiental

De plásticos reciclados a materiais de construção

Project.DWG e LOOS.FM divulgaram seu pavilhão PET, uma estrutura temporária em um parque comunitário na Holanda, que se concentra em questões de construção sustentável, reciclagem e desperdício, repensando as maneiras como os edifícios são desenvolvidos, construídos e usados. Especificamente, o pavilhão é um estudo do uso de resíduos plásticos como material de construção.

Usando a estrutura elevada da Farnsworth House de Ludwig Mies van der Rohe, a estrutura consiste em duas lajes monumentais em uma estrutura de aço. “Do chão ao teto, as folhas onduladas transparentes de parede dupla contêm mais de 40.000 garrafas plásticas”, com tampas de garrafa unidas a gargalos suportando o sistema.

Guardar no Meu ArchDaily

© Project.DWG

© Project.DWG
 
Guardar no Meu ArchDaily

© Paul Clason / Artwork by Martin Oostenrijk

© Paul Clason / Artwork by Martin Oostenrijk
 

Em vez de pretender ser uma solução “sustentável”, o pavilhão PET centra-se na exploração de novas possibilidades e como uma ferramenta educativa. Por exemplo, o número esmagador de garrafas usadas no projeto tem como objetivo destacar até que ponto consumimos produtos e produzimos resíduos, na esperança de que os visitantes questionem onde seus resíduos vão, ou de que outra forma ele poderia ser usado para um novo propósito.

Guardar no Meu ArchDaily

© Project.DWG / Artwork by Martin Oostenrijk

© Project.DWG / Artwork by Martin Oostenrijk
 

Além disso, o pavilhão “mostra que um edifício temporário pode servir plenamente seu propósito, antes de ser reutilizado ou reciclado, sem perder valor material”, ao contrário de muitas estruturas permanentes que utilizam materiais como o concreto.

Painéis de vidro recuperados formam um jardim de inverno no lado ensolarado do pavilhão, onde sete grandes portas giratórias abrem todo a fachada do edifício para o parque circundante, que é também um espaço temporário entre os planos de desenvolvimento e organizado pela comunidade local.

Guardar no Meu ArchDaily

© Project.DWG

© Project.DWG
 

Durante o dia, a massa translúcida de formas amassadas ilumina o interior. À noite, as “cortinas” maciças se transformam em uma lanterna abstrata na paisagem descrita pelos arquitetos.

Guardar no Meu ArchDaily

© Project.DWG / Artwork by Pim Muis

© Project.DWG / Artwork by Pim Muis
 
Guardar no Meu ArchDaily

© Marco van der Ruit / Artwork by André Boone

© Marco van der Ruit / Artwork by André Boone
 

Exposições de arte e eventos interativos ocupam o interior do pavilhão, com a intenção de tornar a arte acessível sem uma visita formal ao museu. Além disso, o espaço é usado como um local de encontro da comunidade, mantendo fóruns para o conselho de bairro, e “impactou monumentalmente” no âmbito social local.

Guardar no Meu ArchDaily

© André Boone / Artwork by André Boone

© André Boone / Artwork by André Boone
 
Guardar no Meu ArchDaily

© Project.DWG / Artwork by Jelle de Graaf

© Project.DWG / Artwork by Jelle de Graaf
 

Criar e gerir o pavilhão PET contribuiu para o que a equipe entende como “mais do que arquitetura” e o entendimento de que “a arquitetura começa onde termina a construção.”

Guardar no Meu ArchDaily

© Project.DWG

© Project.DWG
 

Saiba mais sobre o projeto aqui.

Projeto: Project.DWG e LOOS.FM
Equipe de Projeto: Michiel de Wit, Filip Jonker, Martijn Giebels
Gestão do Pavilhão após a conclusão: LOOS.FM
Localização: Enschede, Holanda
Área: 227 m²
Ano do Projeto: 2014